28 termos financeiros que todo o empresário precisa conhecer

  • Postado por admin
  • Categoria: Dicas, Gestão Empresarial, Pequenas e médias empresas
termos financeiros

Muitos gestores têm dúvidas quanto a alguns termos financeiros que aparecem no dia a dia do ambiente empresarial.

Para ajudar, selecionamos 28 termos financeiros que todo empresário precisa saber!

Amortização

A amortização é a perda do valor aplicado na aquisição de ativos intangíveis, de duração limitada ou de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado.

Exemplos: marcas e patentes; softwares e websites; direitos autorais; know-how (no caso de transferência de propriedade intelectual, métodos produtivos, etc.) e tecnologia.

Análise de Mercado

Na análise de mercado são obtidas informações relacionadas ao mercado de atuação da empresa, que podem impactar de forma positiva ou negativa o negócio.

É por essa análise que são obtidos dados sobre o segmento e o contexto de atuação da empresa, assim como seu potencial público, posicionamento da concorrência e relação dos fornecedores.

>> Para saber mais sobre o assunto, clique aqui.

Antecipação de Recebíveis

Este é o processo que permite à empresa adiantar o recebimento de valores que só chegariam até ela futuramente.

Esse valor antecipado tem taxas e algumas burocracias. Mesmo assim, pode ser válido em casos de necessidade de capital de giro.

>> Nós temos um post completo sobre Antecipação de Recebíveis, clique aqui.

Ativos

Os ativos são todos os bens, créditos e direitos que compõem o patrimônio da empresa.

Podemos dividir os ativos em algumas categorias, como Circulante e Não Circulante. O primeiro são os bens e recursos que podem ser convertidos em dinheiro em um curto período de tempo (até um ano), como as aplicações financeiras que possuem liquidez imediata, o estoque e as contas a receber.

Já os ativos não circulante são todos os bens da empresa que possuem uma permanência duradoura, como as máquinas e instalações; as cotas societárias; e as marcas e patentes, que possuem importante fonte de recursos para a empresa.

Balanço Patrimonial

O balanço patrimonial é uma demonstração financeira que detalha a posição do patrimônio total da empresa em uma determinada data.

Esse relatório quantifica os ativos, passivos e patrimônio de uma empresa. Em termos de unidades monetárias, o balanço mostra o que a empresa possui (ativos), o quanto deve (passivos), o quanto seus acionistas já investiram na empresa (capital) e o quanto ganhou ou perdeu desde sua abertura (reserva de resultados).

>> Entenda mais sobre o tema em nosso post sobre Balanço Patrimonial.

Capital

É a soma de todos os recursos, bens e valores, mobilizados para a constituição de uma empresa.

Capital de Giro

É a quantidade de recursos que uma empresa precisa ter na reserva para investir em suas atividades, tais como compra de mercadorias, reposição de estoques, financiamento a cliente, despesas administrativas e etc.

>> Saiba mais sobre Capital de Giro aqui.

Ciclo Econômico

Também conhecido como Prazo Médio de Estocagem (PME), é o tempo em que a mercadoria permanece estocada. Trata-se do período que a empresa comprou a matéria-prima e a estocou até o momento em que ela vende o produto estocado, ou seja, o tempo em que a mercadoria permanece na empresa.

Ciclo Financeiro

Também chamado de Ciclo de Caixa, diz respeito ao período entre o pagamento da matéria-prima até o recebimento pelas vendas do produto final.

Ciclo Operacional

O Ciclo Operacional engloba todos os acontecimentos da empresa, desde a compra da matéria-prima até o recebimento pela venda, passando pelo período de estocagem, pagamento da matéria-prima, estoque e vendas. É, portanto, a junção dos dois ciclos, iniciando na compra da mercadoria (ciclo econômico) e finalizando no recebimento da venda (ciclo financeiro).

Custos

Os custos são os gastos relacionados à produção ou comercialização de bens ou serviços.

Eles estão classificados em custos diretos, indiretos, fixos e variáveis. Quando um custo é frequente e ocorre todo mês, é chamado de custo fixo. Já quando ele existe esporadicamente, oscilando devido a quantidade vendida, estamos falando do custo variável.

Já os custos diretos e indiretos têm relação com a facilidade ou a dificuldade na atribuição de valor. Se definir o custo de determinado produto é mais fácil, ele é considerado um custo direto. No entanto, se há maior dificuldade em atribuir esse valor, ele é considerado um custo indireto.

Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE)

É um relatório contábil que apresenta de forma resumida as atividades operacionais e não operacionais realizadas pela empresa dentro de um determinado período de tempo. Nele estão as receitas, despesas, investimentos e custo, demonstrando claramente se há lucro ou prejuízo.

>> Saiba mais sobre o assunto!

Depreciação

Depreciação é a redução do valor dos bens tangíveis pelo desgaste ou perda de utilidade, ação da natureza ou obsolescência, como edifícios; máquinas e equipamentos; móveis e utensílios; automóveis e etc.

Despesas

As despesas são gastos relacionados à administração da empresa, como a área comercial, marketing, desenvolvimento de produtos e o financeiro.

As despesas podem ser fixas ou variáveis. Estas últimas são despesas que variam em função do volume (produzido ou vendido), como comissão de vendedores. Ao contrário das fixas que se mantêm, como, por exemplo, a despesa de materiais de escritório.

Exaustão

A exaustão é a redução do valor necessário à exploração dos recursos naturais esgotáveis como os recursos minerais ou florestais. Como as florestas, jazidas e reservas de petróleo.

>> Saiba mais sobre termos financeiros: Amortização, Depreciação e Exaustão aqui.

Faturamento

O faturamento corresponde ao resultado da soma de suas vendas que foram realizadas em um dado período. Ou seja, é todo o dinheiro que entra no caixa da empresa, a partir da venda de produtos, mercadorias e serviços.

Fluxo de Caixa

O fluxo de caixa serve para medir os valores pagos e os valores recebidos em determinado período de tempo, ou seja, o movimento de entradas e saídas de dinheiro do caixa da empresa.

Existem variações nesse cálculo, que são usados para finalidades específicas. ⠀

Operacional: fluxo gerado pelas receitas e despesas de uma empresa em determinado período. Mas não contabiliza os investimentos ou a necessidade de capital de giro.

Direto: registra os recebimentos e pagamentos das atividades operacionais sem realizar qualquer desconto, considerando a forma bruta dessas operações.

Indireto: se baseia nos lucros e prejuízos do exercício apontados no DRE, ajustados por itens econômicos como depreciação e amortização.

Projetado: estimativa que permite planejar as próximas ações com base nos resultados obtidos. Se faz uma análise das contas do presente para fazer uma média e projetá-los para ter uma visão futura do negócio.

Livre: mede a capacidade que o negócio tem de gerar capital em curto, médio e longo prazo.

Descontado: este cálculo determina o valor de uma empresa, por isso costuma ser utilizado no processo de compra e venda de uma companhia ou em caso de fusões.

Para Investimentos: esse modelo precisa acompanhar todas as movimentações financeiras realizadas para gerar resultados positivos e acumular riquezas.

>> Veja cinco passos para uma gestão de Fluxo de Caixa.

Liquidez

Liquidez é a capacidade de converter um ativo em dinheiro. Os Indicadores de Liquidez avaliam qual a capacidade de pagamento da empresa quando comparado a suas obrigações junto a fornecedores e funcionários.

Corrente (ou liquidez comum): tem a função de medir a capacidade do cumprimento das obrigações a curto prazo (dentro de um ano), representando a saúde do caixa, já que diz respeito à maioria dos pagamentos.

Seca: também diz respeito às obrigações a curto prazo, mas o estoque da empresa não é computado no ativo circulante.

Imediata: indica os montantes que podem ser imediatamente transformados em dinheiro para a empresa.

Geral: está ligado aos compromissos de médio e longo prazo. Assim, é possível analisar se nos exercícios passados a empresa esteve diminuindo ou aumentando sua liquidez, permitindo que se trace planos para futuros projetos.

Lucratividade

A Lucratividade demostra a eficiência operacional de uma empresa, já que aponta o ganho de uma organização em relação à atividade que ela desenvolve. Significa, percentualmente, o quanto de lucro a empresa ganha em cima do valor da venda de seu produto ou serviço, após deduzir todos os impostos, taxas e despesas.

Margem de Lucro

A Margem de Lucro se refere à porcentagem da receita que resta após a dedução de todos os custos, depreciação, juros, impostos e outras despesas ligadas aos produtos. Sua função é medir o quanto uma empresa ganha em cima de suas vendas.

Temos alguns tipos de Margem de Lucro:

A Margem Bruta é quanto sua empresa ganha com a venda de um produto ou serviço após diminuir as despesas para produzi-lo e vendê-lo. Isto é, considera o ganho sobre a venda de um produto.

Já a Margem de Lucro Líquida mostra o quanto sua empresa lucra para cada real que entra como receita no caixa da sua empresa. Nesse cálculo se desconta custos e despesas de cada produto, desde a produção até itens administrativos e logísticos.

Ainda temos a Margem de Contribuição, que representa o quanto o lucro das vendas contribuirá para a empresa, pensando em cobrir seus gastos fixos e ainda gerar lucro.

>> Se aprofunde mais sobre o assunto clicando aqui.

Passivos

Os passivos representam os deveres e obrigações que a empresa possui em um determinado período.

Assim como os ativos, eles também podem ser divididos em Circulantes e Não Circulantes. O primeiro representa todas as contas a pagar num curto prazo, como salários e encargos, fornecedores, empréstimos e financiamentos.

Já o passivo não circulante representa todas as contas a pagar no longo prazo, por exemplo, empréstimos, dividendos e impostos a serem pagos nos próximos exercícios.

>> Saiba tudo sobre Ativos e Passivos Financeiro!

Patrimônio Líquido

Um dos componentes do balanço patrimonial, o patrimônio líquido faz referência às contas que apontam o valor contábil de uma empresa. Para isso, leva em consideração capital social, lucros acumulados, fluxo de caixa, entre outros.

Conheça outros termos financeiros:

Payback

Payback é retorno. Ou seja, é o tempo decorrido desde o investimento inicial até o momento no qual os rendimentos acumulados se igualam ao valor investido. Saiba mais aqui.

Ponto de Equilíbrio

Também conhecido como Break Even Point, é a quantidade de receitas mínimas que uma empresa precisa para cobrir todos os seus custos e despesas. Ele demonstra, basicamente, se o objetivo de vendas do negócio é viável ou não.

Receita

A receita equivale a todos os valores recebidos pela empresa. Eles podem ser provenientes da operação direta, como venda de produtos ou serviços ou de receitas não operacionais, como juros recebidos, e, até mesmo, da venda de um ativo que não é mais utilizado.

Rentabilidade

Também conhecida como ROI (Retorno Sobre o Investimento), a rentabilidade revela o poder de ganho ou de retorno do capital que foi investido na empresa, além de dar uma boa previsão para investimentos futuros.

>> Lucratividade x Rentabilidade: entenda a diferença!

Ticket Médio

Esse é com certeza um dos termos financeiros que todo empreendedor precisa saber.
O Ticket Médio é o valor médio de venda que sua empresa faz.

Valuation

É o processo de estimar o valor de uma empresa de forma sistematizada, usando um modelo quantitativo. O Valuation ajuda a promover uma gestão mais eficiente, possibilitando conhecer o seu negócio com mais profundidade, além de fazer uma análise a respeito dos pontos fortes e fracos da sua empresa.

>> Valuation: o guia completo!

Tem dúvida sobre outros termos financeiros? Deixe um comentário que respondemos para você.

Não deixe de nos seguir no Instagram.

Autor admin

Deixe uma resposta