Canvas Financeiro: receba um relatório em 24h sobre a saúde financeira da sua empresa

  • Postado por admin
  • Categoria: Sem categoria
canvas finnaceiro

Como resultado da análise das maiores necessidades que identificamos em nossos clientes e inspirados no Business Model Canvas, de Alex Osterwalder, criamos o Canvas Financeiro. É um mapeamento dos 9 blocos que acreditamos representar tudo que envolve a área financeira de uma empresa.

A importância do Canvas Financeiro e sua motivação é o estado do empreendedorismo no Brasil. A taxa de sobrevivência das empresas nos primeiros dois anos de vida vem reduzindo recentemente. Segundo estudo do Sebrae, o cenário pessimista aponta para 43% de mortalidade até o fim de 2018 para as empresas abertas em 2016.

As razões mais recorrentes fazem referência direta a fatores financeiros: impostos, custos, despesas e juros, inadimplência, falta de capital de giro e de linha de crédito. Acrescento a esse grupo mais uma causa: o despreparo dos empreendedores. Isso também pode ser considerado uma consequência da crise econômica. O empreendedorismo por necessidade cresceu de forma material. Muitas vezes, são profissionais fora do mercado de trabalho que encontraram como alternativa abrir o próprio negócio.

Mas o quanto esse empreendedor está preparado? Como o novo empreendedor consegue, ao mesmo tempo, vender, operar o negócio e cuidar bem das próprias finanças? Esse é o propósito do Canvas Financeiro: dar informação e diretrizes para o empreendedor entender quais pontos da área financeira deve ajustar para escapar de virar estatística.

Comece identificando sua situação em nosso Canvas Financeiro (só clicar) e receba um relatório gratuito em até 24 horas. Um plano de ação personalizado para pavimentar o caminho para a boa saúde da sua empresa!

Canvas Financeiro

Entenda como funciona o Canvas Financeiro: começamos com o fluxo de caixa, que consideramos o essencial; depois para o segundo bloco, que é a gestão sobre as vendas e os custos; passando por impostos; pelas atividades-chave e obrigatórias de um departamento financeiro; os recursos necessários para efetuá-las; os eventos que indicam a necessidade de investimento e dívidas por parte da empresa; e os eventos que trazem a aproximação de figuras interessadas no seu negócio; todas essas áreas podem ser monitoradas estrategicamente por um painel de controle baseado em Indicadores-Chave de Performance (KPI); e o sucesso deve ser alcançado com dedicação para a conformidade às regras, o compliance.

BLOCO 1 – FLUXO DE CAIXA

Não basta fazer apenas o registro das entradas e saídas de caixa. Deve ser um hábito da empresa dar também entrada dos valores a receber dos clientes e a pagar aos fornecedores. Isso permite ao empreendedor se preparar minimamente para o futuro da empresa. Em um nível superior da gestão do fluxo de caixa, devem ser feitas projeções baseadas nas estimativas de vendas e análises sobre os saldos futuros de caixa, cuidados para evitar saldos descobertos e identificando oportunidades excedentes de caixa.

A excelência da gestão de fluxo de caixa envolve a identificação do ciclo financeiro da empresa. A partir do cálculo dos prazos médios de recebimento e de pagamento, que aponta a Necessidade de Capital de Giro, um indicador para manutenção de um saldo em caixa que garanta o giro das operações.

BLOCO 2 – VENDAS E CUSTOS

Existe uma dependência entre as informações de vendas e de custos nesse bloco, começando pela precificação. O markup não é a metodologia mais recomendada atualmente. Isso se deu em decorrência da mudança das diretrizes de venda, do foco no produto para o foco no cliente, sendo essencial a identificação da percepção do valor do produto ou serviço da sua empresa e um estudo sobre os preços cobrados pela concorrência.

Com essas informações, o empreendedor deve identificar seus custos e despesas, separadamente, e identificar oportunidades de otimização, eficiência e competitividade, observando sempre sua margem de lucro e, em uma melhor gestão, identificar seu ponto de equilíbrio e o impacto de outros produtos e serviços do seu mix de vendas na rentabilidade da sua empresa.

Trazemos também a importância de se identificar os custos para se trazer um cliente para a carteira da sua empresa. Isso pode ser feito a partir da análise das métricas financeiras do funil de vendas. Nela, o empreendedor é capaz de identificar os gastos com prospecção, qualificação de leads, apresentação de propostas e fechamento, suas taxas de conversão entre as etapas do funil e o impacto desses fatores no retorno sobre seu investimento com vendas.

Canvas financeiro: Receba um relatório gratuito do em até 24 horas!

BLOCO 3 – IMPOSTOS

Não basta apenas abrir uma empresa e já colocá-la no Simples Nacional. É importante que o empreendedor saiba quais são as outras opções tributárias e conheça as vantagens de cada uma delas. Empresas de serviço, por exemplo, devem refletir bem sobre o Simples Nacional. Um dos motivos é que as alíquotas geralmente se aproximam muito das alíquotas do Lucro Presumido.

De forma geral, inclusive, um lucro muito superior às presunções de 8% a 32% já é um indicativo para o Lucro Presumido ser uma opção melhor avaliada.  Já o Lucro Real geralmente faz sentido para empresas com margem de lucro inferior às presunções do Presumido, principalmente as que amargam prejuízo. Além de permitir a compensação de impostos.

E esses são dados que fazem referência apenas a alguns impostos federais. O Brasil tem uma área continental. Toda a malha tributária faz questão de nos lembrar disso quando falamos de impostos estaduais e municipais. É sempre interessante conversar com um tributarista sobre o modelo de negócio da sua empresa.

BLOCO 4 – ATIVIDADES-CHAVE E OBRIGAÇÕES

O básico do básico das atividades financeiras de uma empresa envolve tesouraria, gestão do contas a pagar e de contas a receber e Contabilidade (exceto MEI). Se você é empreendedor e não tem um profissional interno ou externo ajudando com essas atividades, é provável que você se limite a essas tarefas.

Todas essas atividades devem ser incrementadas com o mínimo de planejamento financeiro. Isso envolve a gestão do fluxo de caixa e a observação dos saldos do futuro, a exemplo do que foi discutido no bloco de Fluxo de Caixa.

No formato ideal, a sua empresa produz anualmente um orçamento base zero, a sua contabilidade envia periodicamente as demonstrações financeiras, que vão servir de base para análise estratégica. Já a sua tesouraria mantem uma relação constante com o gerente do banco. Isso ajuda principalmente na negociação de dívidas e também na negociação de taxas.

Além disso, já há alguém cuidando do seu planejamento tributário e atentando para que a sua empresa esteja operando de acordo com a legislação.

BLOCO 5 – RECURSOS

Alguns recursos são necessários para cumprir com as atividades e obrigações de um departamento financeiro. Sempre há a opção de o empreendedor acumular tarefas. Mas cabe lembrar que o foco deve estar em vendas, principalmente, e, em um segundo momento, na operação. Um fator facilitador são os Sistemas de Gestão Financeira. No entanto, quanto mais barato eles forem, mais de prateleira e menos customizáveis eles são, o que diminui a amplitude de atendimento.

No momento em que algumas atividades mais complexas passam a ser necessárias não há escolha senão envolver outros recursos. A contratação de uma equipe interna sempre vai ser uma opção, mas é interessante pensar na terceirização. O ticket-médio cobrado geralmente é inferior ao custo de manutenção de um funcionário. BPOs contábeis são os primeiros a serem contratados. E os BPOs financeiros já possuem um roteiro de atividades massificado que facilita o cumprimento das atividades-chave.

Dê uma conferida no artigo que publicamos sobre outsourcing financeiro.

Quanto às atividades especializadas, como cálculo de impostos, orçamento base zero, planejamento tributário, compliance e análise de viabilidade, esses podem ser atendidos pontualmente por empresas de consultoria. Em decorrência do empreendedorismo por necessidade, muitos profissionais mais técnicos migraram para essa área. E com maior oferta desse tipo de serviço, geralmente maior é a capacidade de negociação da empresa contratante.

BLOCO 6 – INVESTIMENTOS E DÍVIDAS

Uma máquina na produção pode ser antiquada e você precisa investir em uma nova, a demanda está alta e sua empresa precisa expandir, um concorrente está ameaçando seu market-share e você quer ofertar um valor para comprá-lo, você quer diversificar ou desenvolver um novo produto, ou seu modelo de negócios se apoia em uma mudança de hábito do consumidor e, por isso, é necessário um alto investimento inicial em aquisição de clientes.

Independente do motivo, todos esses investimentos podem ser analisados em um modelo de fluxo de caixa descontado, sendo possível comparar a situação atual à estimada a partir da análise de taxas de retorno, o mesmo servindo para a escolha de captação de recursos de terceiros. São cálculos relativamente simples que apoiam fortemente o processo de tomada de decisão.

Canvas Financeiro: Receba um relatório gratuito em até 24 horas!

BLOCO 7 – INVESTIDORES

Não só diante da oferta de um investidor, mas em outras situações uma empresa precisa conhecer o seu potencial, se precisa de um investimento, qual vai ser o retorno dele, se é melhor continuar investindo no negócio ou vendê-lo e, até mesmo, saber quanto deve pagar para um sócio que deseja sair da operação.

O valuation responde essas questões a partir de metodologias mais tradicionais, como o fluxo de caixa descontado e o múltiplo, e métodos mais modernos, dependendo do porte de cada empresa. São inúmeras para startups, por exemplo. Tratamos desse assunto neste artigo.

BLOCO 8 – ESTRATÉGICO

KPIs são nada mais do que métricas de avaliação. Trazendo uma analogia, são como monitores de batimento cardíaco. Podem dizer quando está tudo bem e podem prenunciar algo que está indo mal. Um batimento mais elevado é esperado durante uma atividade física, mas é péssimo se você está só deitado em uma rede. Da mesma forma, os indicadores têm aplicações para modelos de negócio e segmentos específicos. Alguns podem funcionar, outros não.

A questão é que KPIs são essenciais para o monitoramento de qualquer negócio, desde uma startup early-stage até uma empresa mais consolidada. São ferramentas perfeitas de apoio à decisão, quando bem utilizadas. O excesso de relatórios de KPIs e a escolha dos indicadores errados são contraproducentes, enquanto a economia e a escolha certeira são determinantes para o sucesso.

KPIs: confira neste artigo alguns dos indicadores mais utilizados!

BLOCO 9 – COMPLIANCE

Compliance é estar em conformidade. É um conjunto de disciplinas e procedimentos que geralmente atacam 3 grupos: normas legais e regulamentos, políticas e diretrizes e prevenção a riscos.

Existem algumas situações de compliance que são obrigatórias. Profissionais da área financeira devem estar atentos às normas do COAF. Isso tem se mostrado mais forte com a prevenção e o combate à lavagem de dinheiro, por exemplo. Fora do campo normativo, grandes empresas exigem dos seus fornecedores e prestadores de serviços a existência de alguns controles que podem ser mais rígidos do que as ISOs.

É importante pensar em se prevenir antes de remediar. Levantar processos existentes, mapear e avaliar riscos e implantar controles. Foco em planejamento e definição de metas e objetivos, seguidos de treinamentos, confecção de manuais e procedimentos compartilhados com a equipe – e com a Administração servindo de exemplo – é o ideal.

 

Pronto! Agora você aprendeu sobre cada um dos 9 blocos do Canvas Financeiro.
Está pronto para dar mais um passo em direção à boa saúde financeira da sua empresa?

Comece recebendo em até 24 horas um relatório personalizado gratuito com essas informações!

Se tiver alguma dúvida sobre o canvas financeiro, envie para: contato@stepconsultoria.com

Autor admin

Deixe uma resposta

1 Comentário