Saiba o que é DRE e a sua importância no sucesso de uma empresa

Step Consultoria > Blog > Consultoria financeira > Saiba o que é DRE e a sua importância no sucesso de uma empresa

Saiba o que é DRE e a sua importância no sucesso de uma empresa

  • Postado por admin
  • Categoria: Consultoria financeira, Dicas, Gestão Empresarial, Pequenas e médias empresas, Sem categoria
dre

Provavelmente você já deve ter ouvido sobre DRE e como ele é um importante aliado para a gestão do negócio. Mas o que ele significa e por que é uma ferramenta tão essencial na gestão empresarial?

Neste post, vamos explicar conceito, estrutura e qual sua importância dentro da contabilidade.

O que é DRE?

O DRE é o Demonstrativo (ou Demonstração) de Resultados do Exercício. É um relatório contábil que apresenta de forma resumida as atividades operacionais e não operacionais realizadas pela empresa dentro de um determinado período de tempo. Nele estão as receitas,  custos e despesas, demonstrando claramente se há lucro ou prejuízo.

Esse relatório deve ser assinado por um contador habilitado pelo CRC (Conselho Regional de Contabilidade) e, para fins legais, deve ser elaborado anualmente. Apesar disso, ele também pode ser feito mensal e trimestralmente para fins administrativos e monitoramento dos gastos fiscais.

Mas a importância do DRE vai além do cumprimento das exigências contábeis e fiscais. O empreendedor deve ter controle e saber como usá-lo é essencial para o sucesso do negócio.

Importância do DRE

O DRE, junto com o Demonstrativo de Fluxo de Caixa e o Balanço Patrimonial, é um dos três relatórios essenciais para gestão empresarial e para avaliar a saúde financeira de uma empresa. É uma ferramenta poderosa de análise de resultados:

– Auxilia na tomada de decisão por detalhar cada componente que compõe o resultado líquido da empresa;

– Ajuda tanto na avaliação geral de desempenho da empresa, quanto na análise de eficiência dos gestores em obter resultado positivo em suas respectivas áreas;

– A empresa consegue avaliar sua capacidade de geração de riqueza (lucro) e, quando necessário, realizar modificações na administração para melhorar os resultados.

Estrutura do DRE

O DRE deve sempre obedecer ao princípio do Regime de Competência, assim todas as Receitas, Custos e Despesas devem ser incluídas na data em que ocorreram, independentemente da data de recebimento ou pagamento.

O relatório é lógico e sequencial, mas para não ter dúvidas, vamos falar rapidamente sobre cada tópico que compõe a estrutura do DRE:

Legenda: o sinal de adição (+) representa as entradas, o sinal de subtração (-) as saídas e o sinal de igual mostra os resultados.

Atenção: não existe um modelo único de DRE, pois a estrutura dependerá das exigências de cada empresa. Assim, os empreendedores podem excluir ou adicionar linhas, caso necessária.

Tópicos do DRE

(+) Receita de Vendas: receita gerada pela venda de produtos, mercadorias ou prestação de serviço.

(-) Deduções e Impostos: descontos oferecidos e abatimentos de impostos que incidem diretamente sobre a venda, como ICMS e ISS.

(=) Receita Líquida: resultado da subtração da Receita de Vendas com as Deduções.

(-) Custo Variável: os gastos relativos à fabricação de um produto, compra de uma mercadoria ou preparação de um serviço, como  CPV (Custo de produtos vendidos), CMV (Custos de mercadorias vendidas) e CSP (Custo dos Serviços Prestados).

(=) Margem Bruta: é o resultado da Receita Líquida menos os Custos Variáveis.

(-) Despesas Variáveis: não estão atreladas diretamente à produção, como o frete pago pela entrega dos produtos aos clientes.

(=) Margem de Contribuição: composta pela Margem Bruta menos as Despesas Variáveis.

(-) Gastos com Pessoal: gastos que a empresa tem com os funcionários, como salários, encargos e benefícios.

(-) Despesas Operacionais: são as despesas fixas relacionadas aos gastos para manter a empresa em funcionamento independentemente de haver vendas, como: contas de aluguel, água e energia.

(=) EBITDA: é o resultado gerado pela operação da empresa, sem a influência de fatores não operacionais, como Receitas e Despesas financeiras.

(-) Depreciação, Amortização ou Exaustão: as provisões para despesas com a perda de valor dos ativos da empresa durante o tempo que eles vão ser utilizados pela companhia, antes de precisarem ser descartados e substituídos por um novo.

(-) Outras Receitas e Despesas: gastos com juros, multas e variações cambiais são algumas movimentações desse tópico.

(=) Resultado Operacional: são desconsiderados os tributos que são cobrados sobre o resultado.

(-) Tributos: o IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) são tributos cobrados sobre o Resultado Operacional. Eles são diferentes dos impostos que estão em Deduções de Vendas.

(=) Resultado Líquido: obtido da subtração dos impostos e taxas pagas sobre o lucro bruto. Corresponde ao resultado final da empresa, considerando os ganhos e perdas do período.

>>> Saiba mais sobre os tipos de margens de lucro!

Concluindo…

Ao entender o DRE, o empreendedor consegue visualizar melhor a saúde do negócio. Ele tem dados confiáveis para saber se está no momento de cortar gastos com algo específico ou se é possível usar o lucro para investir ainda mais na empresa.

Dúvidas sobre o tema? Mande um e-mail pra gente: contato@stepconsultoria.com

Autor admin

Deixe uma resposta